Dicas práticas! 13 frases para seu filho te ouvir!

Fiz um post, há poucos dias, onde abordei 7 estratégias para ser ouvido pelo seu filho. Caso você tenha interesse em retoma-lo, acesse: http://milenaloguercio.com.br/7-estrategias-para-ser-ouvida-pelo-seu-filho/

Dando continuidade nesse assunto, quero que você reflita sobre os seus comportamentos no dia a dia por que de maneira geral, as crianças costumam refletir as nossas práticas comportamentais. Muitas vezes, ao modificarmos nossa maneira de se comportar, temos um reflexo imediato no comportamento dos pequenos.

Muitas vezes, dentro da preocupação em evoluir os comportamentos dos filhos, ao invés de investirmos na conexão, acabamos nos tornando mais controladores de filhos e voltamos o foco da educação para a negatividade: buscamos “tolerar” ao ensinar, criticar ao ser empático.

Coloque uma coisa em sua cabeça: converse com seus filhos da forma como você gostaria que conversassem com você, sob qualquer ponto de vista de qualquer assunto que queira abordar, pense sempre em “como eu gostaria que falassem comigo?” Você verá como os frutos serão colhidos naturalmente dessa relação.

Não pense você que será uma tarefa fácil! Na teoria é lindo, na prática, muitas vezes, cansativo! Cada dia que passa você tem mais certeza de que dar um grito, um tapa, colocar de castigo é o caminho “mais fácil” por que ainda ajuda a aliviar o estresse, a ganhar uma disputa, entre outras coisas, mas não a educar positivamente. E como sempre gosto de lembrar: qual a matéria que você estudou e aprendeu com mais vontade e talvez se recorde até hoje?

Normalmente, a resposta está vinculada àquele professor mais respeitoso, mais animado, mais envolvente… Não me recordo de ouvir alguém mencionar que foi o professor que mais tenha repreendido!

Independente de qualquer coisa, pense em um dia de cada vez, esforce-se para ser melhor no momento posterior, siga com confiança.

Pensando nessas dificuldades do “meio do caminho”, trouxe algumas frases sugestivas para você “apertar o reset” e recomeçar com seu filho sempre que precisar:

1-) “O QUE VOCÊ LEMBRA SOBRE O QUE CONVERSAMOS?”

Ao invés de: “CUIDADO!”

Muitas vezes, ao receber a mesma instrução repetidamente, a criança tende a não responder mais ao comando prontamente. Ela passa a bloquear determinada solicitação, então aquele combinado para de funcionar.

Ao questionarmos a criança sobre “o que ela lembra sobre o combinado” a retiramos de uma posição passiva, damos voz a essa criança bem como pensamento reflexivo. Ao permitir que ela reflita e retome os combinados, você pode reafirmar a importância do cuidado em determinada situação. Além disso, ao abrir um diálogo, você consegue propor novamente os detalhes do que é importante para você e ser ouvido, dessa vez.

2-) “POR FAVOR, FALE DEVAGAR!”

“FALE BAIXINHO”

“FALE DE FORMA SUAVE (CARINHOSA)”

Ao invés de “Fique quieto” ou “Pare de gritar”

Ao invés de disputar o tom de voz com a criança, quando ela estiver gritando, falando alto, chamando a atenção; experimente sussurrar. Você verá que não terá mais a necessidade de disputar quem será ouvido por que na maioria das vezes a criança iniciará um esforço para te escutar.

3-) “VOCÊ PREFERE FAZER ISSO SOZINHO OU PREFERE QUE EU TE AJUDE?”

Ao invés de: “Já pedi mil vezes, vai AGORA”

Um exemplo para ilustrar essa situação: você está de saída, pede para que a criança coloque o sapato e nada… Num determinado momento, você pode sugerir: “você prefere colocar o calçado sozinho ou quer a minha ajuda?”

É impressionante como uma criança muda positivamente quando a fornecemos o poder de decisão. Quando você proporciona escolhas a ela, as habilidades de pensamento crítico sobressaem à tentação de desafiar você.

4-) “O QUE VOCÊ APRENDEU COM ESSE ERRO?”

Ao invés de: “Que vergonha”, “Que feio”

Conversando sobre o que foi aprendido a partir de uma situação é muito mais produtivo e motivador para a criança. No futuro, além de ter como bagagem a reflexão do que aconteceu anteriormente, terá algo ainda mais valioso para a vida que é compreender que não precisa ter vergonha de assumir os seus erros, por exemplo.

5-) “POR FAVOR……………………………………..”

Ao invés de “Não” ou “Pare com isso”

Eu já falei sobre esse “não” na comunicação dos nossos filhos e o quanto seria valiosos invertermos essas sentenças para o positivo. Vou deixar o vídeo aqui para você entender o raciocínio:

Se eu tiver que acrescentar algo novo do que trouxe nesse vídeo, eu diria que é importante que seu filho conheça o que “SIM”, o que ele “PODE”, o que você “ESPERA DELE”. Deixe claro!

6-) “VOCÊ QUER IR EMBORA AGORA OU DAQUI 10 MINUTOS?”

Ao invés de: “Hora de ir”, “Chega”, “Acabou”

Como falei anteriormente, nesse mesmo post, as crianças gostam de sentir que tem o poder de decisão. Sabe a dificuldade de ir embora de uma festa, por exemplo? Ou de fazê-los ir para a cama na hora que você determinou? Pois bem, programe-se para chegar no seu filho com um pouco de antecedência e diga: “Você quer ir agora ou quer que eu conte 10 minutos”. É impressionante a forma como eles recebem a ordem de ir embora quando eles puderam participar dessa decisão.

Ao receber a resposta óbvia (rs) “daqui 10 minutos”, explique que você virá avisa-lo e que vocês têm um acordo firmado: “acabaram os 10 minutos, hora de ir”. Verá como será diferente ir embora dessa festa, ou ir deitar, etc…

7-) “VAMOS COLOCAR ESSE BRINQUEDO NA SUA LISTA DE PRESENTES DE ANIVERSÁRIO”

Ao invés de: “eu disse não”, “não vim comprar brinquedos”

Pode explicar que não estava preparado para comprar aquele brinquedo e que vocês podem coloca-lo numa lista de data especial para que ele ganhe!

8-.) “RESPIRE, SE ACALME, AGORA DIGA O QUE VOCÊ QUER”

Ao invés de: “Para de chorar”

Por trás do choro da criança, tem um sentimento legítimos. Precisamos valida-lo, porém fica realmente difícil entender o que querem, pensam ou sentem quando tentar se expressar chorando.

Por vezes, pedir “pare de chorar” pode irritá-lo mais e dificultar ainda mais o diálogo. Assim, eu costumo explicar para meus filhos: “eu não consigo te entender quando você fala chorando, você pode se acalmar para a gente conversar?”

Sempre para ajuda-los a se acalmar, sugiro que eles respirem. Sempre funciona!

9-) “EU PRECISO QUE VOCÊ………………………”

Ao invés de: “Para com isso”

Um exemplo: Você está num estacionamento, seu filho tem costume de sair correndo, então você diz: “eu preciso que você ande como uma tartaruga ao invés de um cavalo de corrida!” Ao invés de “Pare de correr”

Partindo do mesmo princípio do item de “dizer não, sem dizer não”, acrescentando um fator desafiador meio de “brincadeira” até: ser uma tartaruga no lugar de um cavalo de corrida! Tende a receber uma resposta positiva da criança!

10-) “TUDO BEM CHORAR”

Ao invés de: “Parece um bebê”, “Pare de chorar”, “Chora por tudo”

As crianças irão lidar melhor com as situações e superarão melhor seus sentimentos quando não se sentirem pressionadas ou forçadas a parar de chorar.

Quando seu filho entende que sofrer faz parte da vida, do processo de crescimento e do fato de ser humano; ele cria mecanismos para lidar melhor com seus sentimentos e além disso, com sua auto-estima.

11-) “EU TE AMO, INDEPENDENTE DE QUALQUER COISA”

Ao invés de: “Não gosto de você assim”, “não vou te abraçar desse jeito”

O amor incondicional deve estar acima de todos os posicionamentos da Educação com enfoque positivo. Nossos filhos não podem vincular a dependência do nosso amor ao “bom comportamento” deles. Nós o amamos de todo nosso coração, independente do que aconteça.

Deixa-los sempre com essa certeza do nosso amor é por si só um fator motivador para o bom comportamento. Ter essa convicção faz com que o mau comportamento diminua automaticamente.

Um exemplo de situação onde você pode colocar em prática esse item seria: “Eu te amo, independente do seu comportamento, e eu gostaria que você pedisse o brinquedo para o seu irmão da próxima vez ao invés de pega-lo.”

12-) “SUA OPINIÃO É IMPORTANTE, EU GOSTARIA QUE VOCÊ DECIDISSE”

Ao invés de: “Eu não me importo”, “Por mim tanto faz”

Aproveite situações nas quais você estará bem com qualquer decisão tomada e dê o poder para que seu filho escolha. Eles amam se sentirem líderes, em alguns momentos chega a ser mágico o poder que damos para ele decidirem por que eles acabam respeitando ainda mais nossas decisões. Além disso, mostramos que respeitamos a opinião deles e ainda ajudamos no aprendizado de tomadas de decisões. Aproveite cada oportunidade!

13-) “COMO VOCÊ ESTÁ SE SENTINDO?”

Ao invés de: “Não precisa ficar triste por isso”, “Isso não é motivo para chorar”

Estamos fazendo um bem impagável para nossos filhos quando os ajudamos a identificar os seus sentimentos, nomeá-los e aos poucos lidar com eles.

As crianças começam a sentir-se a vontade para expor suas emoções ao invés de nega-las e tentar fazer com que elas desapareçam.

Mais dicas sobre disciplina positiva? Acesse:

Você também pode me enviar suas dúvidas nos comentários desse post ou através do meu e-mail: contato@milenaloguercio.com.br

Muitos Beijos!!!

DISCIPLINA POSITIVA: ALGUMAS DICAS SOBRE EDUCAÇÃO INFANTIL

Lá no canal Milena Loguercio do Youtube, há algum tempo eu venho abordando o tema disciplina positiva e dando dicas dentro desse tema.

De lá para cá, algumas pessoas me sugerem temas e aos poucos eu tento atender todas as solicitações.

Por aqui, resolvi fazer um apanhado geral do que estou comentando lá dentro desse tema afim de registrar aqui no blog também e estender essa ajuda ao maior número de pessoas possível!

Nesse primeiro vídeo eu conto para você o caminho que a disciplina foi tomando ao longo dos anos e por que a disciplina positiva está no centro das atenções, atualmente:

O comportamento da criança é a ponta do Iceberg, a disciplina positiva vai cuidar da “causa” daquele comportamento para modificar o repertório comportamental inadequado. Falei mais sobre isso nesse vídeo com parte I e II:

Como eu digo no vídeo, trata-se de uma disciplina na qual primeiro nos conectamos com a criança, ensinando-a para depois corrigi-la. Por essa razão, fiz o vídeo:

Quando estamos conectados com a criança a disciplina fica muito mais tranquila. Assim, nesse vídeo, te convido a fazer uma reflexão do por quê não precisamos de “brigas”. O desafio é demonstrar a importância de todo o aprendizado com amor. Por que eu considero um desafio?! Por que algumas vezes cansados ou sem paciência é bem mais difícil a demonstração do amor.

Por isso eu sempre digo que muitas vezes, quando a criança apanha; ao esfriar a cabeça, os pais acabam confessando que os “tapinhas” não foram necessariamente pela edução em si, mas em resposta ao sentimento de cansaço, exaustão, falta de paciência, entre outros…

No vídeo acima também te proponho montar o ambiente de uma forma que te favoreça a falar muito mais “SIM” do que “NÃO”, além disso, você pode dizer “NÃO” sem usar a palavra não, fiz um vídeo para te ajudar nessa questão:

Se tudo que seu filho quer ele chora para conseguir, o que fazer?! Fiz esse vídeo para tentar te ajudar:

Entendo que em alguns momentos nosso comportamento não é exemplar e assim como nos cobramos quando pisamos na bola com a dieta, sentimos quando pisamos na bola com a disciplina positiva, mas afinal de contas, somos seres humanos, isso é algo totalmente esperado, por isso, fiz o vídeo abaixo:

O encorajamento também foi bastante abordado nesse vídeo e “encorajar” funciona muito como motivação para nossos filhos continuarem a melhorar o comportamento!

Espero que esses vídeos te ajudem muito na missão educação e caso queira ouvir sobre outros temas, não deixe de me sugerir nem de seguir o meu canal do Youtube!

Receba o Primeiro Capítulo do E-Book TOTALMENTE Gratuito preenchendo o cadastro abaixo!

Educação com enfoque positivo

Muitos beijos!!!

DISCIPLINAR SEM BRIGAR, SERÁ QUE DÁ?

Vira e mexe eu repito nos meus posts ou vídeos que sou psicóloga, então você que me acompanha no dia a dia já deve saber disso, provavelmente. Mas continuo repetindo por que pode ocorrer de novas mães e pais aparecerem por aqui e não saber dessa informação!

Uma parte do meu trabalho é educacional, em escola mesmo. Fazendo atendimentos, especialmente, de orientação de pais.

A linha de orientação que adoto chama: Disciplina positiva. Um nome que causa bastante confusão na cabeça das pessoas por achar tão controverso: DISCIPLINAR e manter a “POSITIVIDADE” por associar esse positivo à “liberalismo, liberal, dizer sim…”

A impressão que eu tenho quando apareço com esse nome na vida dos pais: “DISCIPLINA POSITIVA” é de que eles logo imaginam “o mundo desabando, tudo pegando fogo e eles olhando para o horizonte, com cara de paisagem e repetindo para si: paz e amor” (rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs…)

Por isso, antes de apresentar as técnicas e dicas de como aplica-las, preferi fazer um vídeo de introdução explicando do que se trata a disciplina positiva e que ela tem o objetivo sim de impor limites. O caminho que ela utiliza para isso é que é um pouco diferente!

Eu te convido a assistir o vídeo abaixo para entender melhor do que eu estou falando:

Te confesso que essa necessidade cresceu por que estou iniciando a disciplina positiva de uma forma bastante constante no dia a dia do Gabriel. Assim, quero aproveitar os episódios que ocorrem no nosso dia a dia e trazer para cá e abrir essa “roda de conversa” com vocês que também passam pelas mesmas situações no dia a dia de vocês.

Caso tenha algum problema específico de comportamento que esteja passando com seu filho(a), não deixe de me enviar mensagem, e-mail, comentário, sinal de fumaça(kkkkk); que terei o maior prazer em ajudar. Farei vídeos abordando dificuldades do dia a dia e me trazendo as dificuldade vocês estão propondo novos temas!

Vamos nos ajudar por que não é uma tarefa nada fácil educar e fazer um ser humano virar DE FATO “HUMANO”!

Muitos Beijos!!!