Enxoval de Paula Rousseff comprado nos EUA? Pode isso Arnaldo?

A filha da nossa querida presidente Dilma Rousseff, Paula Rousseff, está grávida de 12 semanas, do seu segundo filho.

Segundo o jornal Folha de São Paulo, Paula Rousseff acompanhou sua mãe, presidente Dilma, durante sua visita nos Estados Unidos e, ainda segundo a Folha de São Paulo, fez “algumas” compras para o bebê.

Poxa vida! Fico me perguntando a quantidade de “compras”, se estas se enquadrariam em 02 malas de, no máximo, 32 kg cada. Sem exceder os US$500,00, passando na alfândega no retorno…

Além disso, fico imaginando por quê seria necessário a filhinha da nossa querida presidente efetuar compras de enxoval nos Estados Unidos já que, conforme o próprio discurso de sua mamãe, precisamos incentivar o consumo interno e temos muitos produtos bons e com preços justos (principalmente considerandos os impostos) aqui no nosso país.

Querida filha da nossa querida presidente, Sra. Paula Rousseff, infelizmente, no meu ponto de vista, o exemplo vem de cima… Se a mamãe diz que o melhor é comprar internamente, a senhora precisaria nos dar o exemplo ao invés de se esparramar no conforto e comodidade de ser filhinha de mamãe!

Muitos Beijos!!!

NÃO GOSTEI, #PRONTOFALEI!

Depois de assistir o comercial das Lojas Renner sobre o dia das mães 2015, repetidas vezes, ficou uma pergunta que não me sai da cabeça: “Em que mundo vive a equipe que desenvolveu este comercial?”

Juro, não sai da minha cabeça!

Você assistiu? Ele é até bonitinho, não vou mentir, se ainda não assistiu, pode vê-lo aqui: https://www.youtube.com/watch?v=rVld02iqAW4

Que mundo é esse no qual um garotinho, na faixa de uns 08 ou 09 anos de idade volta da escola para casa sozinho (calma, eu sei que existem muitos que fazem isso, não sou alienada, sei que tem, mas, continuemos ao comercial) e no meio do caminho, ao encontrar uma flor para “dar de presente para sua mãe”, passa pelos seguintes obstáculos:

– É motivo de sarro na rua

– Toma bolada

– Foge de um cachorro bravo (sente medo)

– Passa por uma ventania e virada de tempo

– Toma chuva, e chuva pesada

E ao chegar em casa, ao contrário das crianças que passam por isso (necessidade de irem e voltarem sozinhas para a escola correndo riscos muito maiores do que os deste comercial, durante o trajeto) por falta de opção, normalmente, tendo pais que estão no trabalho e não têm como levarem ou buscarem na escola; ao chegar em casa, como um filho sozinho pelas ruas (de um país de primeiro mundo), e tomado a maior chuva, o garotinho encontra sua mãe, calmamente, arrumando, delicadamente, a mesa de jantar.

E o pai que chega junto? E de guarda-chuva (sim, o pai tem, o filho não)! Estava onde esse senhor? Em tempos tão modernos, de celulares TOPs (e pela casa mostrada no comercial, a família possui boas condições financeiras para isso); onde estava este pai que chega do trabalho JUNTO com o filho, mas não pôde tirá-lo da chuva?

O mais adulto do comercial foi o filho, rs. Que ainda demonstra a “preocupação com o pai” por ele ter chegado “de mãos abanando”, pelo menos foi isso que o pai o fez pensar, e entrega o presente para a mãe em nome dos dois.

Longe de mim ser a dona da razão, essa é somente a MINHA OPINIÃO, mas, no mundo em que eu vivo, e é com pesar que eu digo isso, INFELIZMENTE, não conseguirei deixar meu filho enfrentando todos os obstáculos ali de fora, enquanto eu estiver “arrumando calmamente a mesa do jantar”.

A mãe do comercial das Lojas Renner 2015 não me representa! #Prontofalei (Rsrsrsrsrsrsrs)

Mas deixo aberto para vocês mães se colocarem também, pode ser que seja eu quem ande preocupada demais e com medo demais do mundo em que vivo atualmente! Quem sabe alguma de vocês não consiga me mostrar o “outro lado”, o lado em que a equipe de desenvolvimento deste comercial está vivendo!

Muitos Beijos!!!